Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Memória Libertária

Documentos e Memórias da História do Movimento Libertário, Anarquista e Anarcosindicalista em Portugal

Documentos e Memórias da História do Movimento Libertário, Anarquista e Anarcosindicalista em Portugal

Memória Libertária

26
Nov23

Um dó li tá: Que fique com o 25 de novembro quem quiser. E já agora com o 11 de março também.


Capturar (11).JPG

Assinalou-se ontem a passagem de mais um aniversário do 25 de Novembro, a data que marcou o golpe de direita que, em Portugal, em 1975, pôs fim ao chamado PREC (processo revolucionário em curso). Esquerda e direita engalfinharam-se por causa da data: para uns foi a correção do caminho aberto pelo 25 de Abril de 1974 (sectores de direita e alguns sectores do PS); para outros foi o fim do próprio 25 de Abril (extrema-direita); para outros ainda foi o fim do processo revolucionário (PC e BE) ou apenas mais um momento, como outros, posteriores ao 25 de Abril, sem grande significado só por si (alguns sectores do PS). Uns glorificam a data como se a partir dela tudo se tivesse alterado, outros maldizem-na, como se antes a situação de quem trabalha e vive do seu trabalho tivesse sido muito diferente. Uns e outros mentem.

Para os anarquistas foi mais uma luta entre os vários sectores políticos que se começaram a digladiar logo a partir do dia 25 de Abril de 1974, mesmo quando a revolução popular, saída do golpe de estado, estava no seu auge e que cronologicamente podemos situar entre os últimos dias de Abril de 1974 e o chamado golpe da maioria silenciosa, a 28 de setembro do mesmo ano. A partir daí o controlo partidário do movimento popular, por parte de alguns grupos de esquerda, tornou-se evidente, matando a espontaneidade popular, a autoorganização e a realização criativa que tinham animado os primeiros meses da revolução, e cristalizando-se a partir do 11 de março de 1975, momento a partir do qual, com Vasco Gonçalves como primeiro ministro, o PCP e a CGTP “normalizaram” a contestação com um conjunto de medidas legais e administrativas, como a Lei da Unicidade Sindical, que mataram definitivamente o movimento popular.

O 25 de Novembro de 1975 surgiu, assim, como uma resposta da direita politica e militar à ocupação das estruturas do Estado por parte da esquerda, sobretudo por militantes afetos ao PCP e ao movimento sindical por ele controlado, embora em nenhum momento tenha existido o risco de retorno á situação anterior ao 25 de Abril de 1974.

O assunto foi tratado na revista anarquista “Acção Directa”, de janeiro de 1976, num longo artigo de abertura intitulado  “Carta Aberta aos Senhores Políticos de Esquerda”, acusados de deturparem “a emancipação dos trabalhadores arranjando-lhes novos capatazes, novos dirigentes e novos polícias”, em vez de os ajudarem a libertarem-se de “todas as tutelas, politicas inclusive”.

Na parte final do artigo pode ler-se:

“(…) Tal como o capitalista, também o político profissional (criação leninista) é parasita do trabalho socialmente útil. O político profissional não só vive à custa dos contribuintes do partido, isto é, recebe a côngrua dos fiéis, como também é um obstáculo à emancipação dos dirigidos, tanto em relação à estrutura do partido como do Estado. Mas aqui não nos ocupamos apenas dos profissionalizados. E como para se ser político não é necessário apresentar diploma ou dar provas seja do que for, ao contrário de qualquer actividade profissional, muita gente se habilita a pôr a pata em cima dos outros ainda que para tal tenha que suportar o peso de alguns.

Neste jogo de poder e submissão, arrogância e subserviência (se não masoquismo), tendes deturpado, senhores da esquerda, a emancipação dos trabalhadores arranjando-lhes novos capatazes, novos dirigentes e novos polícias.

E os que trabalham, em lugar de repetir, começassem a pensar em algumas das vossas frases, senhores políticos profissionais, como por exemplo: “quem não trabalha não come?”

Infelizmente ainda não tendes motivo para sustos. A emancipação dos homens concretos de todas as tutelas, politicas inclusive, é de facto um trabalho longo e difícil e requer dos próprios revolucionários a abdicação de tendências paternalistas, que não são mais do que o reflexo da vaidade do chefe rodeado de súbditos obedientes. A submissão é o contrário da emancipação, como a manipulação é sempre um processo reaccionário.

Mas vós tendes escolhido sempre o caminho mais fácil ao vos tornardes chefes verborosos de rebanhos submissos e ao mirardes a razão da vossa vaidade do alto das tribunas políticas, como quem confirma que estamos num país de Marialvas.

Aquilo que verificámos antes de 25 de Novembro não foram acções revolucionárias de trabalhadores, mas processos de massificação, em que as “massas” se concentravam em manifestações ou faziam greves simplesmente para mudarem de dono. E como quem apregoa o sabonete PALMOLIVE, porque disseram ser o melhor, assim se repetiram publicitariamente alguns nomes ilustres em certas concentrações. As práticas irracionais, como as massificações, foram utilizadas por todos os demagogos e no Congresso de Roma de 1921, Mussolini contava já com 310.000 operários inscritos. Desligados duma luta concreta, os massificados aceitam passivamente que os conduzam.  Assim, com todo um fraseado ideo-religioso se preparava, contra um pretenso fascismo de direita, um fascismo de esquerda, de tipo peronista, com sindicalistas armados. Faltou apenas uma figura carismática, um duce, um Estaline ou um Perón.

Não, senhores políticos de esquerda, não é isto que nós, anarquistas, entendemos por revolução."